Quarta-Feira, 23 de Janeiro de 2019
19/11/2014

Encontros e desencontros. Vinte e sete anos de saudade


“Seu João, dona Vanilda e o prefeito Renato Azeda. “Vou poder falar e ver minha mãe, meu pai e meu filho, que não vejo há 27 anos”

O trabalhador rural João Batista de Souza (54) tinha 27 anos, em 1987, quando deixou sua família em Cerro Corá - RN, cidade de pouco mais de 10 mil habitantes na região da Serra de Santana, a 130 km da capital Natal, para tentar a vida no sul. Na partida, deixou para trás um filho com pouco mais de dois anos, além de pai, mãe e irmãos. Antes disso, ele já havia tentado se estabelecer na região de Brasília-DF, em 1985, mas não teve sucesso. Do Rio Grande do Norte, em 1987, ele foi para Goiás, Mato Grosso e Tocantins, até que um amigo fez a sugestão: “Vamos para o interior de São Paulo para trabalhar na colheita da laranja”. E assim ele fez, chegando em Guaraci em 1997. “Eu nem sabia o que era colher laranja, mas tinha que tentar. Naquele ano a colheita estava fraca, mas eu insisti e por aqui fiquei”, disse o trabalhador. Da laranja para a cana, de fazenda em fazenda ele foi levando a vida, até que em 2000, conheceu a diarista Vanilda Evangelista de Melo, recém-separada e mãe de quatro filhos: as gêmeas Patrícia e Paula (16), Reginaldo (15) e Jaqueline (6). E desde então, “Seu João” tornou-se o chefe desta família. Mas uma coisa deixava a vida do trabalhador rural incompleta: Ainda no começo dos  anos 90, quando aconteceram as primeiras mudanças significativas na telefonia nacional, com troca de números e prefixos, João Batista perdeu o contato com sua família no Rio Grande do Norte e nunca mais falou com os parentes, nem teve notícias dos pais e do filho. O trabalhador rural ressalta que sempre teve muita vontade de ir até sua cidade rever a família, “mas nunca sobrava o dinheiro suficiente e com isso os anos foram passando”. No último dia 7 de novembro, a prefeitura de Guaraci recebeu um telefonema de uma sobrinha de João Batista. Ela estava procurando pelo tio à pedido da avó e do primo, filho de João Batista,  há algum tempo e disse que através da Justiça Eleitoral descobriu que ele poderia ser morador em Guaraci, já que alguém com o mesmo nome, além do nome da mãe e data do nascimento, era eleitor na cidade. A sobrinha, Magna Fernanda, esperava poder encontrar o tio e restabelecer o contato com toda a família.  A ajuda veio primeiro com o Departamento de Água e a confirmação logo depois, através da Secretaria de Saúde, que encontrou os registros de um atendimento feito no Centro de Saúde no início deste ano. Seu João estava com uma tosse muito forte e procurou atendimento médico. “Isto só foi possível porque a Secretaria Municipal Saúde dispõe de um sistema de informação completo e preciso, onde são realizados os cadastros de todos os pacientes que utilizam o serviço no nosso município”, disse a secretária de Saúde, Fatinha De Boni.  "O Sr. João Batista foi atendido em uma das nossas unidades e esse registro fica à disposição para outros atendimentos, se for o caso, ou para qualquer consulta que for necessária”, concluiu.  Assim que ficou sabendo que havia sido encontrado pela família, o trabalhador rural ficou muito emocionado. “Não sou um homem de chorar fácil, mas naquele momento eu chorei. Afinal vou poder falar e ver minha mãe, meu pai e meu filho, que não vejo há 27 anos, além dos meus cinco irmãos e todos os meus sobrinhos, muitos que eu nem cheguei a conhecer. Estou muito feliz”, finalizou João Batista.  O prefeito Renato Azeda assim que ficou sabendo da história de “Seu João” também ficou muito emocionado e foi até a casa do trabalhador rural para cumprimenta-lo. “Eu conheço o João Batista há anos, mas nunca conversamos sobre as suas origens. Ele e a esposa Vanilda são frequentadores dos eventos do Centro de Convivência do Idoso, além de amigos muito queridos. Quando fiquei sabendo da história, fiquei muito feliz por esse encontro se concretizar com a nossa ajuda”, disse o prefeito Renato Azeda. A família se cotizou para pagar as passagens do casal e assim, “Seu João” e a esposa Vanilda devem viajar para o Rio Grande do Norte no próximo dia 19 de dezembro. “A fazenda onde eu trabalho dá férias para todos no final do ano e eu vou aproveitar para rever meus familiares. Vou matar a saudade de todos”, comemorou João Batista.

 

 
  Esta é a família que o trabalhador rural  vai reencontrar: Pai, mãe. irmãos, sobrinhos e cunhadas. Vinte e sete anos depois,  João Batista vai rever seus parentes em Natal - RN