Domingo, 22 de Setembro de 2019
14/05/2014

Dia de Combate ao Abuso e Exploração Sexual

 


Os jovens participantes dos Programas Ação Jovem, Menor Aprendiz  e do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), além de representantes do Conselho Tutelar, realizarão uma passeata nesta sexta-feira (16), a partir das 15h, saindo da Prefeitura Municipal em direção à entrada da cidade na Avenida Natal Pastrez, para comemorar o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes (18 de Maio). Após a passeata, os jovens e os representantes do Conselho Tutelar participarão do pedágio com a colagem de adesivos da campanha. Neste ano, ano da Copa do Mundo no Brasil, o adesivo com a frase “Vamos fazer bonito dentro e fora de campo. Todos juntos no combate à violência e exploração sexual de crianças e adolescentes” objetiva mobilizar toda a sociedade,  reforçando as ações visando o enfrentamento da violência sexual praticada contra crianças e adolescentes no município e também no Brasil. Denúncias contra a violência sexual com crianças e adolescentes podem ser feitas através do Disque 100 - Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração contra Crianças e Adolescentes; que é um serviço de proteção de crianças e adolescentes com foco em violência sexual, vinculado ao Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, da SPDCA/SDH. Trata-se de um canal de comunicação da sociedade civil com o poder público, que possibilita conhecer e avaliar a dimensão da violência contra crianças e adolescentes e o sistema de proteção, bem como orientar a elaboração de políticas públicas.

 

O DIA 18 DE MAIO


Em 1973 um crime bárbaro chocou o Brasil. Seu desfecho escandaloso seria um símbolo de toda a violência que se comete contra as crianças.
Com apenas oito anos de idade, Araceli Cabrera Sanches foi sequestrada em 18 de maio de 1973. Ela foi drogada, espancada, estuprada e morta por membros de uma tradicional família capixaba. O caso foi tomando espaço na mídia. Mesmo com o trágico aparecimento de seu corpo, desfigurado por ácido, em uma movimentada rua da cidade de Vitória (ES), poucos foram capazes de denunciar o acontecido. O silêncio da sociedade capixaba acabaria por decretar a impunidade dos criminosos. Os acusados, Paulo Helal e Dante de Brito Michelini, eram conhecidos na cidade pelas festas que promoviam em seus apartamentos e em um lugar, na praia de Canto, chamado Jardim dos Anjos. Também era conhecida a atração que nutriam por drogar e violentar meninas durante as festas. Paulo e Dantinho, como eram mais conhecidos, lideravam um grupo de viciados que costumava percorrer os colégios da cidade em busca de novas vítimas.  Apesar da cobertura da mídia e do especial empenho de alguns jornalistas, o caso ficou impune. Araceli só foi sepultada três anos depois. Sua morte ainda causa indignação e revolta. O dia 18 de maio foi instituído em 1998, quando cerca de 80 entidades públicas e privadas, reuniram-se na Bahia para o 1º Encontro do Ecpat no Brasil. Foi nessa oportunidade que surgiu a ideia de criação de um Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual Infanto-Juvenil.  De autoria da então deputada federal Rita Camata (PMDB/ES) - presidente da Frente Parlamentar pela Criança e Adolescente do Congresso Nacional -, o projeto foi sancionado em maio de 2000.   Desde então, a sociedade civil em Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes promovem atividades em todo o país para conscientizar a sociedade e as autoridades sobre a gravidade da violência sexual. O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes vem manter viva a memória nacional, reafirmando a responsabilidade da sociedade brasileira em garantir os direitos de todas as suas Aracelis.